Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

08.Nov.19

Os abraços importam!

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, abraçou, em nome de todos nós, de todos os portugueses, Manuel, o sem abrigo que num gesto grandioso salvou o bebé recém nascido encontrado na passada terça-feira num contentor do lixo, em Lisboa.

Sim, ele quer abraços, e afectos também. E tenho cada vez mais a certeza que estes afectos e abraços podem salvar vidas, e pessoas em desespero, ou solitárias. Quem de nós alguma vez abraçou um sem abrigo? Ou Alguém desconhecido só pelos simples facto de esse alguém precisar mesmo de atenção? Quantos de nós olhámos para um sem abrigo, olhos nos olhos, sem fugir com o nosso olhar, sem olhar para o lado, como se não tivéssemos visto? Para uma pessoa que só vive com a indiferença, um gesto destes é enorme, e fará com toda a certeza a diferença, sim, é triste a vida ser assim com o ser Humano, mas é mais pura verdade, e acontece todos os dias na nossa sociedade. Não olhamos com olhar de ver para o próximo, poucos o fazem.

A solidão, tristeza e infelicidade são alguns dos elementos da vida de muitos sem abrigo, e que se vão intensificando com a forma como a sociedade, que somos todos nós os trata, da maneira como lida com eles. E sabemos que o problema dos sem abrigo não se resolve só com casa e emprego, exige antes de mais uma reabilitação psicológica, e acompanhamento profundo e continuo, e tal pressupõe que o indivíduo em questão queira, e tenha força de vontade para mudar, sim mudar para uma nova situação de vida com a qual se calhar pouco conviveu, dar a este homem, como a tantos outros que vivem em situações semelhantes oportunidades de emprego, cuidados de saúde, uma vida digna, mas acima de tudo torná-lo ainda mais apto e preparado para a sociedade, e não, não é simples, mas acredito que é possível.

Este foi um gesto de alguém que sobrevive na rua e salvou uma vida humana. E nós, quantos de nós daríamos a mão e atenção a alguém que realmente precisasse?! Vamos começar a olhar mais para o lado, a ver melhor o próximo, com todas as suas dores, angústias,  sofrimento e certamente com uma certa revolta, porque haverá sempre alguém que poderá um dia precisar de nós, e, poderemos no momento sermos os únicos a conseguir fazê-lo.

ajude sempre alguém porque naquele momento poderá ser o único a conseguir fazê-lo

Comenta, mas com cuidado:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.