Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

29.Abr.19

O menino que foi capaz de domar o vento

«O Rapaz que Prendeu o Vento» de William Kamkwamba e Bryan Mealer, um filme absoutamente imperdível e que nos consegue passar uma grande mensagem, e reflexão.

Baseado numa história verídica, relata a história de um menino nascido no Malawi e com apenas 13 anos teve de abandonar a escola por falta de meios. Mas isso não impediu que o seu optimismo e a sua vontade de aprender e, graças a uma biblioteca escolar continuasse a acompanhar as matérias escolares. A persistência de William de estudar é de uma tal grandeza e genialidade, que ainda vivendo num lugar totalmente inapropriado, onde deveria haver mais inclusão social.

Um dia descobriu um livro que mudaria por completo a sua vida e que explicava o funcionamento dos moinhos de vento. Utilizando materiais improvisados, muitas vezes recolhidos em sucatas, William conseguiu montar dois moinhos de vento e, assim, fornecer energia eléctrica e água à sua pequena comunidade. O seu feito tornou-se notícia em todo o mundo e é contado  de forma tão cativante que retrata os problemas que afligem o continente africano e sugere que as melhores soluções não partem necessariamente da ajuda dos países ricos.

Esta obra é o verdadeiro testemunho na primeira pessoa, de como a motivação, aprendizagem e a experimentação foram os requisitos base que permitiram uma criança concretizar um projeto com grande impacto em toda comunidade. Além disso, o que é claro neste filme é que William não se preocupou somente consigo, mas com todos. E esta para mim é a principal mensagem, a empatia que todos deveriamos ter.

4 comentários

teorias absolutamente espectaculares