Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

08.Out.18

corações grandes, desilusões maiores

As desilusões que vamos tendo ao longo da vida são muitas, sejam elas no trabalho, na vida pessoal, com amigos, até com familiares. Acho que tenho um alvo para estas situações menos saudáveis, e que muitas das vezes me deixam no chão. Importo-me demais com os outros, e nunca espero que os outros não façam o mesmo comigo, não compreendo o porquê de não respeitarem os meus sentimentos, e de se porém no meu lugar, o que é certo é que na maioria das vezes não o fazem. 

Ultimamente passei por uma situação familiar em que percebi que a importância que eu achava ter para aquelas pessoas era maior do que a atitude que tiveram para comigo, atitude essa tida à minha revelia, pior, à socapa, e foi isto mesmo que magoou, ser "pelas costas" até poderia dizer à traição, mas acho que é uma palavra demasiadamente forte.

Na maioria das vezes penso no que os outros que estão envolvidos irão sentir com determinadas atitudes, ou decisões que possa tomar, e se não estiver totalmente decidida, ou com certezas do que irei fazer, paro, penso, e penso, e muitas vezes não avanço com receio de magoar os outros e que podem não entender a minha real intenção. Eu penso, e coloco-me no lugar dos outros, mas raramente fazem isto comigo, ou têm essas atenções. Eu sinto demais. O que é sentir demais, pensar demais? Talvez porque me entrego demais, crio raízes muito profundas com pessoas que às vezes não estão nem ai viradas, nem para estes estes valores. Porque penso demais, porque sinto demais. Porque vivo a sério demais, e isto faz-me sofrer. Mas acima de tudo acho que faz de mim uma pessoa altamente genuína.

Pessoas assim como eu, não gostam de nada pela metade, por isso poucas pessoas são capazes de nos preencher. Através do olhar muitas vezes tenho a infelicidade de "conhecer" uma pessoa. (nem sempre são vantagens, ficamos muitas vezes logo de pé atrás, o que é mau.)

Ligações de alma como para nós é hábito ter, ou sentir são cada vez mais raras. Colocamos sempre a emoção acima da razão e se calhar muitas das vezes pensar mais racionalmente poderia ter-nos poupado a algum de sofrimento. Tentamos chegar sempre a todos os corações.

Curiosamente, não me arrependo de ser assim, e acho que faria tudo de igual. Seria assim como sou. Embora saiba que sentir demais é mesmo muito difícil, mas é o que nos torna realmente especiais. Mais do que sentir, o verdadeiro desafio é ter a coragem de lutar por um sentimento.

E quem é assim, talvez sinta que é desta maneira que vivemos tão intensamente, e ter um percurso na vida incrível, de tal maneira que a vida assim é bem mais sentida do que pensada. E embora sejam desilusões que vamos tendo ao londo do nosso percurso na vida, são estas mesmo que a maior parte das vezes nos fazem fechar um pouco o coração, mas no fundo só nos fazem crescer, e vivermos cada dia de forma tão intensa. Corações enormes, sentimentos grandiosos.

 

Comenta, mas com cuidado:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.