Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

17.Mai.17

Aos 40 anos, a qualidade do sexo melhora signitivamente ?!

Sim, melhora, mas não é a qualidade do sexo ,é sim, a memória.

(bem sei que se fala de outras perspectivas dos 40, mas para essas, tenho a dizer, que não existe limites, nem fronteiras, dêem asas à vossa imaginação, e "deixem roláaaaa"       = )))

A minha partilha neste caso é outra, e bem mais intrínseca, e profunda do que o sexo, e limites para tal.

A partir dos 40, tudo começa a cair, a ficar mole, flácido, precoce, e não meus caros não falo do que vós estais a pensar, mas sim, da nossa memória, e capacidade de analisar o que está ao nosso lado. de errado, de mal, de estranho.

No meu caso especifico foi a desgraça.

Comecei  por esquecer coisas tão importantes como quem me foi desgraçando, a quem dei a mão, e me deu uma chapada de volta,  a vida, por vezes, muitas vezes, é filha da put@ e é verdade, acreditem nisso.

Mas que seria feito de todos nós sem estas provações na, e da vida?! 

Para quem esteve como eu de corpo, alma e coração, e me foram retribuindo com valentes, e grandes bofetões, e me fez acreditar que a vida era má sem olhar a quem. 

Não se iludam, tudo o que se fala dos 40, 50,  e por ai a diante, é só paisagem, diante do que muitos (vá, alguns) dos que estão ao nosso lado, e nos podem fazer, e rebentar com o que até aqui nós mesmos conseguimos erguer e construir, e neste caso, falo de nós mesmos, do nosso eu, personalidade, e equilíbrio emocional. 

Este não é um discurso destrutivo, mas um discurso, e testemunho real de quem dá, e pouco, ou nada recebe. (Será a Lei de Murphy...?!?!)

A vida não se faz só de "pagamentos" mas sim de reconhecimento, e nos dar-mos conta que alguém também está de coração aberto para nós tal como estivemos para esse alguém em algum momento da vida.

Discurso repetitivo, é verdade, mas actual, e sempre presente (ainda mais nos dias que correm)  

E isso, é amizade, companheirismo, sentido de partilha e de dor, e que maioria do comum mortal não tem. 

Lamento, dizer isto, mas não tem.

Almas, e mentes vazias, preenchem o nosso dia a dia, e quando alguém aparece de coração cheio, temos a tendência em desconfiar, e de estar de "pé atrás".

Quando se é genuíno, percebe-se, entende-se, sente-se, e isso não consigo explicar como, só que se sente mesmo, e com o todo o nosso coração. 

 

4 comentários

teorias absolutamente espectaculares