Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

espaço da raquel

para escrever tudo o que me vier à cabeça, e partilhar cenas daquelas (coiso e tal, e tal e coiso) não me levem muito a sério, tenho mau feitio, mas no fundo sou boa pessoa..... (apesar de não jogar com o baralho todo)

11.Dez.06

AMOR

 
Nunca vou ao Centro de Saúde a não ser para tomar vacinas. Foi o caso, naquele dia. Sentei-me em frente ao gabinete de enfermagem e mergulhei no livro que tinha levado, prevendo longas horas de espera. A sala estava apinhada. No banco da frente, um homem e uma mulher abraçados. Os cabelos brancos e ralos, as rugas muito vincadas e o ar gasto e cansado faziam adivinhar muitos anos vividos, partilhados, sofridos: talvez 80. O corpo dela, mais fraco e doente, encostado ao dele. A cabeça no seu ombro. Ele enroscava o seu braço no dela e acariciava-lhe a mão enrugada e manchada pela idade, sussurrando-lhe palavras ao ouvido, que se imaginavam de consolo.
“Próximo!”-
gritou a menina por trás do guiché.
Ele estremeceu e levantou-se com dificuldade. Agarrou-lhe as duas mãos e puxou-a docemente para cima.
“Devagarinho, meu amor, eu ajudo-te”.
Arrastaram-se a custo para a porta, para desespero da pressa da funcionária.
Eu ali, de livro na mão, de olhos colados neles a afastarem-se, lentamente, levando o Amor com eles, na sua mais pura essência...
Era isto que eu queria ter. Era assim que eu queria ser um dia.

Andar colada ao amor até ser velhinha.
 

Comenta, mas com cuidado:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.